Como usar as ervas do banho na Umbanda? Parte 3

No terceiro artigo da série sobre banho saiba como utilizar as ervas do banho na Umbanda e as definições de ervas quentes, frias e mornas.

Continuando nossa série de artigos sobre banho de ervas na Umbanda falaremos agora como utilizar as ervas no contexto ritual.

Como usar as ervas do banho na Umbanda

Como preparar as ervas do banho?

As ervas de um banho podem ser frescas ou secas, e podem ser maceradas em água fria ou fervidas. As duas técnicas (macerar e ferver) podem ser usadas em conjunto, utilizando tanto ervas frescas quanto secas em um mesmo banho.

Quando falamos em banho de ervas na Umbanda nos referimos ao uso de toda a planta (raízes, folhas, cascas e flores) ou somente um desses elementos como banho de flores, por exemplo.

  • Macerar é a técnica utilizada com ervas frescas quando amassamos as plantas com as mãos dentro de uma vasilha com algum líquido.
  • Para a fervura podem ser utilizadas as ervas frescas ou secas, que devem cozinhar em fogo lento o tempo necessário a retirada da força energética de cada erva.
  • Todas as ervas podem ser usadas no banho desde que se conheça as propriedades daquela planta. Deve-se tomar cuidado pois muitas ervas são tóxicas ao simples contato com a pele, e o bom senso nos diz para não usar esse tipo de ervas num banho.

A água usada para preparar um banho

A preparação de um banho de ervas pode ser feita com diferentes líquidos, como água do mar, água mineral, água da chuva, água do mangue, mas também pode ser utilizada a água de coco, o leite animal ou vegetal, algumas bebidas alcoólicas, e os caldos extraídos de vegetais como o caldo de cana, etc..

A utilização do líquido deve estar em sintonia com as ervas escolhidas, visando tirar o melhor aproveitamento da união desses elementos para o propósito do banho.

A escolha das ervas para o banho na Umbanda

Tomar banhos de ervas com combinações aleatórias de plantas não vai ajudar a estabelecer a harmonia que almeja em seus caminhos.

O uso desordenado de ervas para banhos pode até mesmo prejudicar e desorganizar as forças de proteção de sua espiritualidade.

O ideal é conhecer as forças que regem sua espiritualidade, e saber com exatidão a intenção desejada com o banho, somente assim podemos entender quais as ervas adequadas ao problema a ser tratado.

Ervas do banho: frias, quentes mornas

As ervas classificam-se em diferentes graus de poder de limpeza, além da sua capacidade de equilibrar as forças energéticas, por essa razão são chamadas frias, mornas ou equilibradoras e quentes.

1. Ervas quentes

As ervas quentes são aquelas com alto poder de limpeza, atuam no plano espiritual de maneira mais agressiva, cortando energias desgovernadas que são nocivas a nossa espiritualidade, afastam espíritos zombeteiros, e atuam como ácidos degenerando miasmas e anulando o poder das forças malignas que atormentam o indivíduo.

Essas ervas chamadas quentes devem ser usadas como muita moderação, pois tem imenso poder de arrastar também energias positivas quando realizam seu trabalho de limpeza, por isso; seu uso deve sempre ser acompanhado de ervas frias ou mornas visando equilibrar a ação das ervas quentes.

Banho de sal na Umbanda

O banho de sal na Umbanda é um bom exemplo para essa questão. Sal não é erva, e sim um mineral considerado de alta vibração “quente”, capaz de dissolver problemas espirituais complexos, até mesmo de vidas passadas, e atuar quebrando problemas cármicos, como acreditam certas vertentes da espiritualidade.

O sal é conhecido por “arrastar” as energias ruins mas, tem o poder de levar embora também as energias boas, causando certo desequilíbrio na coroa do indivíduo, pois é um dos elementos de maior poder de limpeza na espiritualidade.

Mas, a solução para esse problema está em “reequilibrar” a coroa, tomando um banho de ervas “mornas ou frias” junto com o sal ou logo em seguida a ele, “recarregando” as energias positivas perdidas com o banho de sal na Umbanda.

Por isso, é possível utilizar até mesmo o banho de sal na cabeça, com moderação, e utilizando em seguida ou junto a ele outras ervas que proporcionem novamente o equilíbrio energético perdido com o sal.

São exemplos de ervas quentes: arruda, guiné, casca de cebola, casca de alho, espadas (de Iansã ou de Ogum), eucalipto, pimentas, etc.

2. Ervas mornas ou equilibradoras

São as ervas mais utilizadas nos banhos da Umbanda, pois são as calmantes, equilibradoras, e trazem muito conforto ao espírito, repondo as energias positivas perdidas.

Essas são ervas que quase sempre podem ser usadas sozinhas em um banho, pois tem o poder de agir em amplo espectro do corpo astral, e além de promoverem limpeza, alinham os chacras e cicatrizam feridas energéticas ocorridas por demandas ou baixas vibrações, proporcionando equilíbrio das energias vitais.

São exemplos de ervas mornas: alecrim, camomila, colônia, todos os boldos, as hortelãs, todas as frutíferas, todas as rosas e flores, manjericão, etc.

3. Ervas Frias

Ervas frias são aquelas que tem uma ação mais específica e também mais leve se comparadas às outras ervas mornas ou quentes, que tem um amplo espectro de funções.

As ervas frias tem também a função única de potencializar a ação de ervas quentes e mornas, aumentando a atuação das outras ervas no campo energético.

Algumas ervas frias podem também serem consideradas mornas pois estão no limite das classificações, mas quando usadas sozinhas passam a ser consideradas frias por atuarem de maneira muito específica para consolidação de um objetivo.

Exemplos de ervas frias: anis estrelado, louro, todas as rosas e flores, cravo-da-índia, canela, etc..

Exemplos básicos de proporção de ervas e seus objetivos

Banho de descarga – ervas quentes + ervas mornas e frias (opcionais) – sempre o total de ervas deve ser ímpar para esse tipo de banho – ex.: arruda, guiné e alecrim.

Banho equilibrador – ervas mornas + erva fria (opcional) – ideal número par de ervas – ex.: camomila, colônia, rosa branca e anis estrelado.

Banho calmante – ervas mornas + ervas frias – ideal número par de ervas – ex.: boldo, erva-doce, alfazema e cravo-da-índia.

Banho de prosperidade – ervas mornas + ervas frias – ideal número par de ervas – ex.: girassol (flor ou semente), canela, hortelã e louro.

Leia todos os artigos da série sobre banho de ervas da umbanda

Banho de ervas na Umbanda – Pequeno guia prático com dicas simples – Parte 1

Os melhores dias e horários para tomar banhos de ervas da Umbanda – Parte 2

Como usar as ervas do banho na Umbanda? Parte 3

Como consagrar o banho de ervas na Umbanda – Parte 4

Como tomar banho de ervas na Umbanda e despachar as ervas? Parte 5

Gestantes e crianças podem tomar banho de ervas da Umbanda ? – Parte 6

Precisa de orientação espiritual?

Consulta espiritual

Você tem questionamentos afligindo sua vida, e precisa de respostas das entidades para tomar decisões importantes? Faça hoje mesmo uma consulta espiritual com a sensitiva Glaucia Carvalho e receba orientações dos guias da Umbanda para resolver seus problemas.

Você pode também solicitar a identificação das entidades que regem seus caminhos pela Cabala dos Orixás, e ficar sabendo com detalhes todos os regentes da sua espiritualidade.

A consulta vai revelar seus orixás regentes (orixá principal, ajuntó e orixá familiar) além das entidades (Exú e Pombagira, Pretos Velhos, Caboclos e Ciganos).

Glaucia Carvalho tem mais de 30 anos de desenvolvimento como umbandista sensitiva, e vai responder através dos guias de luz, a todas as questões que estão afligindo sua vida.

Faça hoje mesmo sua consulta.

Siga-me nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *