Nanã Burukú, ou Nanã Buruquê, é a senhora dos portais da vida e morte na Umbanda. Responsável pela preparação para a reencarnação das almas, domina pântanos, mangues e chuva.

Nanã Burukú – Senhora dos portais da vida e da morte na Umbanda

Nanã é a mais velha orixá do panteão africano. Além disso é mãe de Obaluaiê, Ossaim, Oxumaré e Ewá com o Grande Pai da Umbanda, Oxalá.

O termo “nanan” significa “raiz”, ou seja, aquela que se encontra no centro da terra, raiz original da qual tudo vem.

Nanã Burukú tem um papel importantíssimo na criação de Deus, pois, ela detém o poder de “decantar” as impurezas das almas, purificando-as na lama primordial, que é seu elemento natural nos pântanos. Ela traz, assim, para reencarnar na terra, as almas limpas e sem a memória da vida passada, visando, então, um novo grau de evolução espiritual para aquele espírito.

Os domínios e indumentárias de Nanã Burukú

Como ela tem o poder de trazer as almas limpas, sem a memória da vida passada, Nanã tem também domínio sobre a memória das pessoas, e sobre as doenças cancerígenas.

É a orixá protetora dos idosos, dos desabrigados, dos doentes e também dos deficientes visuais.

Nanã dá a reencarnação ao espírito que já sublimou e evoluiu a ponte da morte, e prepara-se em suas mãos para atravessar uma nova estrada e renascer para uma nova vida.

Nanã é dona do ibiri, que pertence a sua indumentária e afasta os espíritos (eguns) para o espaço sagrado destinado a eles; além de “varrer” as energias negativas do espaço sagrado do terreiro, proporcionando a longevidade aos membros da comunidade.

Dia de Nanã Burukú e o sincretismo religioso

Dia 26 de Julho é o dia consagrado a velha orixás dos pântanos, pois ela foi sincretizada pela Igreja Católica com Sant’Ana, a avó de Jesus Cristo.

Características dos filhos da orixá Nanã

Os filhos da orixá Nanã não costumam ser muito ligados à sensualidade, pois valorizam mais a ascensão profissional ou social.

Normalmente são severos, muito ligados a seus valores morais e austeros na educação e proteção da família; o que, muitas vezes, os fazem parecer rabugentos e serem temidos.

Quando lhes compete tomar uma decisão são lentos e o fazem com uma calma e serenidade bem peculiares; que são responsáveis por seus comuns acertos e também por seu equilíbrio interior.

Os filhos desta orixá costumam também ser pessoas bondosas, simpáticas e muito confiáveis.

Nanã Burukú é soberana e empresta a seus filhos a capacidade de, ao experimentar a dor e o sofrimento, renascerem mais fortes; com mais sabedoria e, portanto, com maior capacidade controlarem suas próprias emoções.

Culto a Nanã

É a Nanã Burukú que devemos clamar quando precisamos nos perdoar e nos livrar do passado. É a ela que devemos fazer nossas oferendas quando algo que passou estiver nos impedindo de avançar em nossa vida e em nossa felicidade.

Ela é mais antiga dos Orixás, um orixá da pré-história, anterior à idade do ferro; por isso, em seu culto não se usam objetos de metal.

  • Dia da semana: domingo
  • Cores: lilás e branco, lilás, roxo.
  • Velas: roxa, lilás ou branca
  • Ervas: lavanda, cipreste, assa-peixe, avenca, manacá, quaresmeira, etc.
  • Data comemorativa anual: 26 de Julho (Dia de Sant’Ana)