Oxumaré é o orixá ligado aos ciclos da terra, representado pelo arco-íris tanto pela cobra, são símbolos de transformação e riqueza que o orixá domina.

Orixá representado pela cobra ou arco-íris na Umbanda

Oxumaré rege o princípio da multiplicidade da vida, transcurso de múltiplos e variados destinos.

É o segundo filho de Nanã, irmão de gêmeo de Ewá e Omolú/Obaluaiê seu irmão mais velho, e Ossaim seu irmão mais novo, que são vinculados ao mistério da morte e do renascimento.

Seus filhos usam colares de búzios entrelaçados formando as escamas de uma serpente que tem o nome de Brajá, pois Oxumaré pode ser representado pela serpente que morde a própria cauda.

Sincretismo de Oxumaré

A Umbanda utiliza-se da imagem de santos cultuados pela Igreja Católica por um fato histórico-cultural.

Na medida em que os negros que chegavam ao Brasil como escravos, oriundos das diversas tribos africanas, traziam em seu interior a crença nos Orixás, porém não podiam manifestá-la, pelo preconceito dos seus senhores, que consideravam tal culto heresia e feitiçaria.

Os Orixás são espíritos de altíssima vibração; os Santos foram pessoas que viveram na Terra e um dia estiveram, como nós, sob a tutela desses Orixás.

O africano não abandonou as suas crenças religiosas. Simplesmente, procurou acomodar-se a situação e o processo mais inteligente foi exatamente o de comparar as qualidades dos seus Orixás com a dos santos católicos.

Oxumaré é sincretizado a São Bartolomeu e homenageado a 24 de agosto. É o orixá que se mostra presente em cada mudança que fazemos em nossa vida.

Características dos filhos do orixá Oxumaré

Oxumarê é o arquétipo das pessoas que desejam ser ricas; das pessoas pacientes e perseverantes nos seus empreendimentos e que não medem sacrifícios para atingir seus objetivos.  Costumam possuir o dom da vidência.

Seus filhos estão entre aquelas pessoas que, de tempos em tempos, mudam tudo em sua vida: mudam de casa, de amigos, de emprego, como se ciclos se sucedessem sempre, obrigatoriamente, exigindo e provocando rompimento com o passado e iniciando a busca de um novo equilíbrio que deverá persistir até num novo momento de ruptura, desintegração e substituição.

Também são apontados nos filhos de Oxumaré certos traços de orgulho e de ostentação, algo que os aproxima do clichê do novo-rico, exibicionista, quando surge um grave problema para alguém de sua amizade, e que precisa efetivamente da sua ajuda.

A androginia do Orixá, por vezes é estendida a seus filhos.

Culto a Oxumaré

Oxumaré-Bessém – O orixá da riqueza representado pelo arco-íris e pela cobra

  • Saudação: Arroboboi Oxumarê!
  • Cores: amarelo e verde, cores do arco-iris
  • Dia da semana: Terça-feira
  • Fios de conta e guias: brajá, lagdigbá
  • Comida: “Cobra” feita de batata-doce amassada e banana-figo frita em azeite doce.